ASSIC reafirma que empresários querem comprar dívidas da Unick e Indeal



ASSIC afirma que algumas empresas teriam interesse em comprar a dívida dos clientes, assumindo os riscos de cobrar judicialmente da Indeal e Unick.

A Associação que afirma defender clientes da Unick e Indeal, ex-pirâmides financeiras encerradas pela Polícia Federal em 2019 disse que o processo de compra da dívida dos clientes está em andamento, mesmo com o funcionamento parcial do judiciário brasileiro.

Publicado por: livecoins.com.br




A ASSIC (Associação dos Investidores em Criptoativos) foi criada para supostamente para defender os clientes da Indeal. Logo depois, com o fim também da Unick Forex (Academy), a associação passou a lidar com este novo problema.

Ambas as empresas, apontadas como pirâmides segundo investigações, fraudaram milhares de clientes. A promessa era de obter rendimentos fáceis com Bitcoin, uma moeda digital, oferecendo até 30% de lucros mensais.

Contudo, não demorou até a PF bater na porta dos negócios e levar os líderes, deixando os clientes sem posição. Em muitos processos que chegam na justiça, ligados a ambas empresas, os clientes afirmam ter ficado sabendo do fim dos negócios pela imprensa.

Associação de clientes da Unick e Indeal informa investidores sobre processo de compra de dívida
As associações são permitidas no Brasil pelo Código Civil, Lei n.º 10.406 de 2002, desde que atendam a critérios específicos na legislação. Uma das que foram criadas no último ano é a ASSIC (Associação de Investidores em Criptoativos).



A associação foi criada supostamente para defender primeiramente o interesse dos investidores da Indeal, contudo, com o fim da Unick, também pegou clientes desta última. Ambas as empresas foram encerradas em 2019, sendo a Indeal pela Operação Egypto e a Unick pela Operação Lamanai.

Muitos clientes que acreditavam na magia dos lucros garantidos, fixos e mensais, foram surpreendidos com a repercussão dos casos. Vários agentes da Polícia Federal conduziram buscas, apreensões e prisões de líderes, em ambas as empresas.

A ASSIC se apresenta como uma assossiação criada para buscar uma forma organizada dos clientes, então desamparados, reaver, pelo menos parte de seus direitos na justiça. Uma das possibilidades levantadas pelos diretores é inclusive, a venda da dívida para empresas.

Diretor da ASSIC fala sobre negociações com empresas em meio a pandemia
A ASSIC afirmou nos últimos dias, de acordo com o diretor Márcio Borba, que está em contato com empresas interessadas em comprar a dívida.

De fato, com a pandemia do novo coronavírus (COVID-19), as negociações continuam, apontou Borba.

Em um primeiro momento segue tudo normal, a gente vêm cumprindo as etapas dessa negociação

Algumas empresas teriam o interesse em comprar títulos executivos dos associados da ASSIC. Na prática, isso significa que empresas, não informadas quais, teriam interesse em comprar a dívida dos clientes, assumindo os riscos de cobrar judicialmente da Indeal e Unick.

Os chamados títulos executivos dão aos credores um instrumento, ainda que instável, para cobrar dívidas na justiça. Para isso, a ASSIC informou que as empresas querem informações dos associados, que deverão preencher um formulário em seu site.

Por fim, ainda que haja esperança da ASSIC em conseguir vender a dívida para que os investidores Indeal e Unick recuperem parte de seu dinheiro, a negociação não é fácil. Especialistas no assunto afirmam que poderá demorar anos para que os clientes recuperem seu dinheiro.

No último dia 16 de abril, a ASSIC conversou com alguns deputados federais que discutem a regulamentação de Bitcoin no Brasil. Dessa forma, a associação dos clientes Unick e Indeal está buscando maneiras de reaver o dinheiro de seus associados, mediante instrumentos legais.

Regulamentação do Bitcoin ajuda a prevenir pirâmides financeiras?
A associação ASSIC acredita que em caso de uma regulamentação do Bitcoin, casos de pirâmide financeira envolvendo criptomoedas diminuam. A associação foi convidada a participar de uma reunião em Brasília para discutir mais detalhes, mas terá que esperar o fim das restrições impostas pela pandemia para verificar a viabilidade.

Contudo, as pirâmides financeiras têm atacado no Brasil e no mundo há muitos anos, e sempre aproveitam um setor em alta para disseminar golpes. Já houve pirâmide no Brasil de boi, de avestruz e até de telefone (Telexfree), ou seja, a regulamentação se mostra pouco eficiente no combate a esquemas fraudulentos.

No Brasil, o tema é alvo de debates na Câmara dos Deputados e Senado Federal, mesmo em meio a pandemia. O Bitcoin, apesar de ser constantemente associado a golpes, é apenas vítima destes, que usam sua imagem para passar legitimidade aos investidores.

Publicado por: livecoins.com.br